BLOG DOS PROFESSORES APROVADOS SEEDF 2013

Nota Da Prova Do Novo ENEM Será Uma Incógnita

Posted by Gilberto Lenz em 10/07/2009

Matéria publicada na Gazeta do Povo em 6 de junho de 2009.

No cálculo final do resultado do exame, as questões mais difíceis valerão mais do que as questões menos complexas. Mas os alunos não saberão o peso de cada pergunta e, consequentemente, não conseguirão calcular o seu desempenho.

Imagine que você tenha resolvido uma prova com 50 questões de múltipla escolha e acertado 20 delas, número igual ao de um colega que também participou do teste. Em alguns dias você recebe o resultado: a sua nota é 30, enquanto a de seu colega é 40. Isso é possível? Com a nova metodologia que será usada na estruturação do Enem, sim. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo exame, levará em conta que tipo de questões o candidato acertou, e não apenas a quantidade de acertos.

Em outras palavras: as questões terão pesos diferentes. O diretor de Avaliação da Educação Básica do Inep, Heliton Ribeiro Tavares, explica que a pontuação de cada pergunta será determinada a partir de três características: grau de dificuldade (a questão pode ser fácil, média ou difícil), índice de discriminação (capacidade da questão de selecionar os participantes) e probabilidade de acerto ao acaso (a chance que um aluno tem de, chutando, acertar a questão). Terão peso maior as perguntas mais difíceis, que consigam diferenciar o aluno bem preparado, e que apresentem pequena probabilidade de acerto na base do chutômetro.

O problema é que, no momento do exame, o aluno não saberá quais questões valerão mais pontos. Não adianta somar os acertos nas provas, porque não será possível calcular a nota final. Segundo Tavares, o governo estuda a possibilidade de divulgar os valores dos três parâmetros de cada pergunta após o Enem. “O aluno não conseguirá, sozinho, calcular a sua nota, mas talvez possamos oferecer um programa de computador para que ele tenha ideia de qual é a sua pontuação”, adianta.

Na avaliação do professor de Matemática Emerson Marcos Furtado, do Curso Positivo, os critérios de avaliação ficariam mais claros se o exame trouxesse as questões separadas por peso. Como o número de perguntas é grande e os alunos terão pouco tempo para responder cada uma (menos de três minutos), eles poderiam dedicar mais tempo àquelas que valessem mais.

Já o diretor do Curso Dom Bosco, Ari Herculano de Souza, considera que o fato de o aluno não saber o valor das questões não deve prejudicar a transparência do processo seletivo. “Em uma prova como essa, com características nacionais, é pouco provável que um aluno tenha favorecimento. O importante é que a regra esteja clara e seja igual para todos”, afirma. Para o professor Anselmo Chaves Neto, do Departamento de Estatística da Universidade Federal do Paraná (UFPR), o exame conseguirá avaliar adequadamente os participantes. “O Enem será muito bem feito por dois motivos: o conteúdo do ensino médio será bem avaliado, pelo grande número de questões, e as questões serão planejadas com rigor”, diz.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: